Tavon Austin, Cordarrelle Patterson, Robert Woods e Keenan Allen

Tavon Austin, Cordarrelle Patterson, Robert Woods e Keenan Allen

Andrew Luck, Robert Griffin III e Russell Wilson fizeram temporadas excepcionais em 2012, Ryan Tannehill teve bons momentos e até Kirk Cousins e Nick Foles lideraram suas equipes a vitórias. Então dá para dizer que o último draft foi dos quarterbacks. Para 2013, a posição da vez é a de wide receiver.

Por mais que o número de jogadores que pressionarão o quarterback adversário esteja em grande alta nesta classe, ainda acho que a posição que mais terá destaque no draft é a de WR. São muitos bons nomes, mesmo nas rodadas mais baixas e seu time certamente deve estar de olho em alguns deles.

A lista começa com Tavon Austin, de West Virginia. Gosto de compará-lo com Randall Cobb, do Green Bay Packers. Assim como Cobb, Austin é uma arma múltipla. É um ótimo recebedor, principalmente saindo do slot, pode funcionar como running back (sua posição no ensino médio) e ainda retorna chutes muito bem. Sairá na primeira rodada, certeza.

Outro nome para a primeira rodada é Cordarrelle Patterson, de Tennessee. Em sua única temporada na 1ª divisão universitária, o wide receiver somou quase 155 jardas totais de média por partida, o maior número da SEC, a conferência mais forte do país. Além disso, ele desperta o amor dos olheiros por ter um perfil atlético muito bom (1,91 m e 93 kg). A única bandeira vermelha são os problemas fora do campo.

Liderando o segundo grupo aparece Robert Woods, da USC (ou Southern California). Woods conhece muito bem as rotas de um WR e as executa muito bem, além de não ter nenhum problema para fazer recepções, incluindo disputas pela bola com os adversários. Apesar dos problemas com lesões no tornozelo, é bem visto porque sempre está procurando formas de melhorar e ajudar seus companheiros.

LEIA MAIS:
Não espere mais a noite de domingo por Faith Hill
Se você já está pensando no Fantasy da NFL, fique de olho nessas dicas
Afab divulga lista de convocados para seção de treinos da seleção brasileira

Keenan Allen, de California, chegou a ser o melhor da posição no draft por algum tempo, mas uma lesão fez com que o atleta regredisse um pouco nos rankings. Com apenas 75% de sua explosão, o WR fez um tempo de 4,71 s na corrida de 40 jardas. Mas totalmente recuperado, Allen tem velocidade suficiente para bater seus adversários e se torna um alvo fácil para lançamentos longos.

DeAndre Hopkins foi uma das sensações de Clemson nos últimos três anos e dá para perceber facilmente os motivos disso. Muito rápido, “Nuke” segue as rotas com facilidade e não costuma ter problemas para fazer recepções, mesmo recebendo “tijoladas” de seus quarterbacks. Além disso, consegue alterar facilmente sua velocidade.

Acredito que estes cinco serão selecionados nas duas primeiras rodadas do draft. Mas isso não quer dizer que não tenha mais talento na posição. Para quem optar por um WR nas rodadas seguintes, aqui vão outros bons nomes:

Justin Hunter, Tennessee: alto e versátil, podendo alinhas em várias partes da formação;

Markus Wheaton, Oregon St: muito bom fazendo recepções;

Marquise Goodwin, Texas: ex-corredor da equipe olímpica americana;

Quinton Patton, Louisiana Tech: tenta compensar a falta de velocidade com a saída e aceleração;

Ryan Swope, Texas A&M: apesar do tamanho, forte e dedicado;

Stedman Bailey, West Virginia: boa desenvoltura lateral e separação;

Terrance Williams, Baylor: Sobra velocidade para Williams, que é ótimo alvo para passes longos.

Ainda não falei de outros bons nomes, como Aaron Dobson, Tavarres King, Josh Boyce e Kenny Stills. E também não destaque a conversão de Denard Robinson. Bom, isso dá uma ideia do quanto a classe de wide receivers é boa em 2013 e os clubes devem aproveitar bastante.