Torcedor dos Jets não tem muito o que comemorar em 2011

Por Rodrigo Borges

É a data mais esperada por quem gosta de futebol americano. O primeiro domingo de fevereiro. Chegou o dia do Super Bowl. Não, não chegou. Pela primeira vez desde 1967, ano de sua primeira edição, o jogo final da NFL não será realizado.

Foram meses de negociações para renovar o contrato de trabalho entre a liga, jogadores e times, que venceu em março do ano passado. Intermináveis reuniões para tentar salvar a temporada, para evitar que a lista de campeões do Super Bowl não ganhasse um asterisco em 2012, informando a não-realização do campeonato.

Em vão.

A pendência financeira, principal obstáculo para a assinatura de um novo acordo, tornou-se um problema que não permitiu solução a tempo de realização do campeonato. Desde que os Packers bateram os Steelers em Dallas, no Super Bowl 45, nunca mais o mundo viu uma partida da NFL. E só verá de novo em agosto, quando finalmente começará a próxima pré-temporada.

LEIA TAMBÉM:
– Veja a cobertura completa do ExtraTime para o Super Bowl

Sem jogos a disputar e sem ter até onde treinar, já que as portas dos campos de treinamento dos times ficaram fechadas enquanto não havia um acordo, jogadores tiveram de arrumar outra coisa pra fazer. Mark Sanchez, do New York Jets, foi  fazer bico na Disneylândia. Fez parte do primeiro time de futebol americano do parque, jogando como o quarterback Pateta, sucesso entre as crianças. Pelo menos entre elas. Michael Vick, do Philadelphia Eagles, organizou uma feira itinerante para adoção de cachorros abandonados. Tim Tebow, do Denver Broncos, ampliou os negócios e virou sócio de uma produtora de filmes pornográficos. Outros 41 dedicaram-se a atividades pouco ortodoxas e acabaram presos por motivos diversos.

Agora faltam intermináveis oito meses até o início da temporada. Terão sido quase dois anos desde o último jogo de futebol americano. E neste domingo, pela primeira vez em 45 anos, não haverá Super Bowl.

Mas poderia ser pior. Poderia haver outra vez um Super Bowl entre aqueles de New England e aqueles outros de Nova York, os de azul e vermelho, o lado negro da força. Como aconteceu em 2008. Pelo menos este risco não corremos.

Rodrigo Borges é jornalista, torcedor do New York Jets e ignora a existência da temporada 2011/12 da NFL. No Twitter: @estadodecirco


  • Vinicius

    Ótimo texto, mas o SB do ano passado, entre Packers e Steelers, foi o 45…

    (e já passou da hora dos Jets arrumarem um QB decente…)

  • sergio ( @oncoped)

    Ótimo texto , principalmente o QB pateta , mas não posso negar a existência desse SB , pois é onde será feita uma correção na história , e o NE Patriots ganharão dessa vez!!!!!!