Quatro textos para entender a relação entre esportes americanos e a comunidade negra

O Dia da Consciência Negra ainda não é feriado nacional, mas centenas de cidades e alguns estados inteiros pararam nesta sexta aqui no Brasil. Nada mais justo para reforçar a importância histórica e cultural que os negros tiveram na sociedade brasileira, além de permitir um momento de reflexão sobre como esse papel nem sempre (em alguns casos, quase nunca) é valorizado ou reconhecido.

Nos Estados Unidos há elementos em que a situação é melhor que a brasileira, e outros em que é pior, pelas características específicas de cada país. Ainda assim, dá para dizer que existem semelhanças que podem ser usadas pelos brasileiros como inspiração ou alerta.

As ligas esportivas dos EUA são um campo farto de temas ligados à relação racional, e o ExtraTime trata disso com constância. Para o Dia da Consciência Negra aqui no Brasil, separamos alguns textos que mostram como os afro-americanos tiveram papel fundamental na construção desses esportes que tanto crescem entre o público brasileiro.

A esquecida história da quebra da barreira racial na NFL

É impossível imaginar o futebol americano sem atletas negros, e muito disso se deve a quatro pioneiros, lá na década de 1940

Fala-se tanto de Jackie Robinson porque nem todos entenderam seu legado

Dois dias após se celebrar a figura que representa o fim da intolerência no esporte, houve quem reclamasse de homenagens a Boston

O vídeo da NBA para homenagear Martin Luther King é de arrepiar

Cenas de basquete misturadas com o discurso “Eu Tenho um Sonho”? Claro, oras

PK Subban e a história dos negros na NHL

Esporte majoritariamente branco, o hóquei no gelo também contabiliza pioneiros e heróis de origem africana

Clique aqui para ver todos os textos do ExtraTime que teve o racismo ou atritos raciais como tema