Tim Duncan é um minimalista. Em uma liga como a NBA, em que atletas são exaltados por jogadas plasticamente espetaculares dentro de quadra e atitudes marcantes fora dela, o pivô do San Antonio Spurs soa como uma aberração. Ele é tranquilo, quieto, faz jogadas limpas e simples. Parece não se importar em aparecer, quer apenas fazer seu jogo, ajudar seus companheiros e ajudar a manter o time texano como um dos mais dominantes do basquete neste início de século.

Por isso, é triste pensar que, talvez, já tenhamos visto sua última partida pela NBA. Porque isso deve ter passado na cabeça de todo mundo quando Duncan tomou um toco de Serge Ibaka a três minutos do final do duelo em que sua equipe perdeu para o Oklahoma City Thunder. Por vários motivos:

– Duncan já se arrastava na série, sem condições de manter o mesmo nível de desempenho (ainda que, no jogo 6, o desta quinta, ele tenha feito 19 pontos);
– O Thunder dominava a partida (e a série) e aquela jogada deu a sensação de determinar o resultado. Os Spurs podiam reduzir a desvantagem para nove pontos, mas o toco se transformou em um contra-ataque que deixou a diferença em 13;
– A forma como Duncan abaixa a cabeça. Seu abatimento parece dizer algo mais do que o desânimo pelo insucesso em uma jogada decisiva.

O craque dos Spurs ainda não anunciou o que fará. Mas a forma como ele perdeu fôlego nos playoffs podem indicar que a capacidade física está perto do limite. E a cara de desânimo pode ser um sinal de que ele sabe disso, apenas não levou a público. Que ele tome a melhor decisão, qualquer que seja ela.


  • Felipe Bezerra

    Pois é, uma pena mesmo (provavelmente) encerrar uma carreira brilhante desse jeito, com uma
    imagem simbólica triste como essa, de abatimento. Mas é bom lembrar que
    essa é a cara de sempre de Duncan hahhahaah Nunca se sabe quando tá
    triste, alegre, com raiva… E também bom lembrar daquela final
    espetacular de 2013 contra o Miami. Aquele layup seguido de rebote
    inacreditavelmente perdidos no último minuto do jogo 7. A tapa que ele
    deu no chão. Um título perdido daquela forma, depois da cesta
    inacreditável de Ray Allen… Roteiro insensível, que parecia cravar o último grande momento dele e da geração dos Spurs com uma derrota cruel. Maaaas, um ano depois o San Antonio vai e quebra tudo ganhando espetacularmente o título contra o próprio Miami. Enfim, nunca duvido de Duncan, Poppovich e dos Spurs. É claro que dois, três anos atrás ele era um “garoto” de 37, 38 anos, hoje já tá quarentão :P

  • Leandro Matos

    Duncan, pode levar 10 tocos do Ibaka, nas ultimas 10 jogadas dele na NBA (ironia minha), não é nada perto do que esse cara fez pelo Spurs, uma carreira limpa, de grandes conquistas, trabalhando com grandes nomes da NBA (Poppovich, Ginobili, Parker,Avery Johnson, David Robinson, LaMarcus Aldridge, Kawhi Leonard), um jogador completo em sua posição, nunca ficou perto da grande midia, sempre focado no seu jogo…. Lembro quando ele começou na NBA, e hoje tenho a possibilidade de dizer que vi um grande jogador e que com certeza, sera eternizado com o Hall de grandes jogadores da NBA.
    Outro detalhe, pode ter certeza que o Ibaka, foi abraçar e agradecer por ter jogado contra um dos melhores jogadores da sua posição.