Manning comemora o título do Super Bowl, quatro anos atrás

SUPER BOWL XLII | 3 de fevereiro de 2008
NEW YORK GIANTS 17 x 14 NEW ENGLAND PATRIOTS

Ficha técnica

Estádio: University of Phoenix Stadium, Glendale, Arizona
Público: 71.101 pessoas
Show do intervalo: Tom Petty & the Heartbreakers
MVP: Eli Manning, quarterback dos Giants

New England Patriots e New York Giants se conhecem de outros Super Bowls. Em 2008, as duas franquias decidiram o título no University of Phoenix Stadium, Arizona, e na época, o cenário que antecedia o confronto era muito diferente do que pode ser observado hoje. Na época, era o duelo entre o grande favorito contra o grande azarão.

Liderado por Tom Brady, os Patriots faziam uma temporada irretocável até a decisão. Pelo menos três importantes recordes foram quebrados pela equipe de Foxborough em 2007 – e permanecem intocados até hoje: maior número de pontos marcados (589), mais touchdowns lançados por um quarterback (50) e recebidos por um wide receiver (23). De quebra, New England estava invicto (18 vitórias consecutivas) e precisava do triunfo sobre os Giants para igualar a marca de 1972 do Miami Dolphins – quando o time da Flórida foi campeão sem perder nenhuma partida.

LEIA TAMBÉM:
 Conheça o histórico do New York Giants em Super Bowls
 Conheça o histórico do New England Patriots em Super Bowls
– Veja a cobertura completa do ExtraTime para o Super Bowl

Do outro lado, o New York Giants havia se classificado com a primeira vaga de wild card e mesmo com uma incrível sequência de sete vitórias consecutivas fora de casa, a equipe não assustava os favoritos. Até então considerado apenas o irmão mais novo de Peyton Manning, Eli fazia uma temporada razoável, completando 56% dos passes para 3.336 jardas, 23 touchdowns e 20 interceptações. No entanto, o camisa 10 mostrou a que veio nos playoffs. O índice de acerto de passes foi para 64%, nenhuma interceptação foi lançada e os Giants eliminaram na Tampa Bay, Dallas e Green Bay – todos os jogos fora de casa.

A transformação da equipe novaiorquina não serviu para tirar o rótulo de zebra, mas serviu para definir uma das grandes características do time dali em diante: resiliência. Ou nas palavras dos próprios atletas, a habilidade de se recuperar de um grande revés ou mudança – este foi o tema do vídeo que a franquia utilizou antes de entrar no estádio para o Super Bowl (e que você pode assistir aqui).

Diante dos grandes favoritos de Boston, o New York Giants cresceu e impôs com autoridade o seu nome de Gigantes de Nova York. A defesa, que tinha grandes jogadores como Antonio Pierce, Justin Tuck, Osi Umenyiora e Michael Strahan, anulou o ataque corrido dos Patriots, que não era dos melhores, e pressionou Tom Brady durante os 60 minutos de jogo. Embora tenha conseguido lançar a bola 11 vezes para Wes Welker, que na época atuava como wide receiver secundário, Brady nunca entrou no ritmo que gostaria. O camisa 12 foi sacado em cinco oportunidades e perdeu a bola em um fumble, prontamente recuperado pelos Giants.

Durante boa parte do jogo, as defesas falaram mais alto e dominaram os ataques, permitindo três touchdowns e um field goal até os minutos finais da partida. Com pouco menos de três minutos no relógio, os Giants perdiam por 14 a 10 e teriam uma última chance de virar o placar e conquistar o terceiro Super Bowl na história do clube. Visto com desconfiança até pelos próprios torcedores dos Blues, Manning tinha o jogo na mão e sobreviveu.

Em uma das jogadas mais memoráveis na história do Super Bowl, Manning escapou de um sack que parecia certo e enxergou David Tyree a mais de 30 jardas de distância. O que parecia incrível ficou apenas melhor quando o wide receiver equilibrou a bola com uma das mãos, apoiando-a contra o seu capacete. A recepção colocou a equipe de Nova York a 25 jardas da endzone adversária. Como o field goal não resolvia, era touchdown ou nada. Em um belo passe por cobertura, Eli encontrou Plaxico Burress e o que parecia improvável, aconteceu.

Com o passe para Burress, o New York Giants reescreveu a história do futebol americano em dois aspectos. Foi a primeira vez na história da NFC que uma equipe que se classificou com o wild card e venceu o Super Bowl. O outro pioneirismo ficou a cargo da família Manning – pela primeira vez, dois irmãos quarterbacks conquistavam o título e eram escolhidos os MVPs da decisão em anos consecutivos (Peyton em 2007 e Eli em 2008). A última marca deve demorar para ser igualada.

A partida deste domingo, além de marcar o reencontro entre Giants e Patriots no Super Bowl, servirá também para que duas as equipes mostrem o que aprenderam com os acertos e erros de quatro anos atrás. Desta vez, os Patriots não são os amplos favoritos. Desta vez, os Giants não são azarões. Em campo, apenas sete zebras. Os sete árbitros.