O torcedor do Toronto Blue Jays terá cinco meses para ficar dissecando o último jogo de sua equipe na temporada 2016. Não faltará assunto. A vitória do Kansas City Royals por 4 a 3 que definiu o título da Liga Americana foi definida por detalhes, e dá para ficar muito tempo discutindo cada um deles. Foi realmente home run de Mike Moustakas ou o torcedor interferiu com a jogada? José Bautista bobeou ao ignorar a possibilidade de Lorenzo Cain correr três bases em uma rebatida simples na oitava entrada? O árbitro Jeff Nelson não adotou uma zona de strike generosa demais para Wade Davis fechar a partida?

VEJA TAMBÉM: As bibliotecas de Kansas City e Toronto estão se superando na troca de mensagens provocativas

Tudo isso merece consideração, e talvez o torcedor canadense chegue à conclusão que o Toronto poderia (ou pior, que deveria) ter vencido a partida desta sexta. Mas esses detalhes podem ter definido o sexto confronto da série, mas não definiram a classificação. A classificação foi definida ao longo dos seis jogos, e, no final das contas, os Royals foram à World Series porque foram um time melhor.

O Kansas City tinha como ponto frágil a sua rotação. De fato, ela foi instável, com algumas atuações fracas (Cueto no jogo 4, principalmente) e outras um pouco acima de medianas (como Yordano Ventura no jogo 2). Mas foi isso. De resto, o time foi consistente em vários fundamentos. Chegou bastante em base, soube atacar os arremessadores adversários em um momento qualquer de vulnerabilidade, defenderam melhor e tinham o bullpen para evitar sustos nas entradas finais.

Dois números simples revelam como os Royals estavam mais prontos para a decisão. Somando as seis partidas da final da Liga Americana, o Kansas City bateu o Toronto por 59 a 46 em rebatidas e por impressionantes 24 a 5 em corridas anotadas nas últimas três entradas (sendo 10 a 1 na sétima, quando os bullpens costumam entrar em ação). Poderíamos afundar ainda mais em estatísticas como aproveitamento com corredores em base, ERA do bullpen ou produção da parte de baixo do alinhamento, mas eles apenas confirmam o que esses dois números já mostram: os Royals tiveram mais volume de jogo e cresceram na hora decisiva.

NA LIGA NACIONAL: Depois de 15 anos os Mets estão de volta à World Series com um herói no elenco

Enquanto isso, os Blue Jays se viram refém de sua principal virtude, as rebatidas longas. O time canadense desperdiçou muitas oportunidades de anotar corridas por não conseguir contatos para rebatidas simples. Dependeu demais de pancadas e, nos dias em que elas não vieram, o Toronto ficou asfixiado.

O jogo 6 tem sua história própria, mas a história de seu resultado não é exatamente a mesma da série. E essa fala de um bicampeonato justo de uma equipe que foi melhor.


  • Danchio

    E a torcida pelo Paulo Orlando continua…
    Já que não deu pros Cubs, go kc

    • Paulo Roberto Ramos de Andrade

      Por falar no Paulo Orlando, como ele estás nos playoffs ? E ele estará em algum jogo da World Series ?