O retorno do beisebol ainda não foi anunciado para os Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020, mas a certeza de que isso ocorrerá é tão grande que tem cidade se candidatando a ser subsede. Mais que isso, pretende aproveitar a oportunidade para mostrar ao mundo de que voltou ao normal. É Fukushima, local que ficou marcado por um dos piores acidnetes nucleares da história.

LEIA MAIS: Presidente da CBBS: beisebol nas Olimpíadas está 99% certo, e com jogadores da MLB

A ideia foi apresentada por Hiroaki Kuwajima, chefe do departamento de planejamento da prefeitura do município de Fukushima. Segundo ele, receber grandes atletas internacionais seria um bom modo de recuperar a imagem da cidade. “Fukushima sofreu muitos danos econômicos causado pela desinformação. Gostariamos de deixar para trás todos esses rumores”, comentou à agência France Presse.

Em março de 2011, um terremoto de 9 graus na escala Richter e um tsunami atingiram o norte da costa leste do Japão. Uma das estruturas denificadas foi a usina nuclear de Daiichi, que teve seu sistema de resfriamento desligado. A pressão interna cresceu a ponto de explodir. O vazamento do material contaminou água e plantas da região, além de motivar uma evacuação de tudo o que estivesse em um raio de 30 km da usina.

Rumores de que a radioatividade teria chegado a Tóquio foram lançados como forma de enfraquecer a candidatura japonesa para os Jogos de 2020. Além disso, tem atingido a atividade econômica de Fukushima, e é isso que as autoridades querem mudar.

A usina de Daiichi ficou conhecida como “Fukushima” por ficar na província (normalmente traduzido como “prefecture” em inglês) de mesmo nome. No entanto, as instalações ficam na cidade de Okuma, localizada no litoral. A cidade de Fukushima, capital da província e candidata aos jogos de beisebol e softbol de 2020, fica a 60 km dali. Por isso, não está dentro da área considerada de maior perigo e não sofreu evacuação.

Não há time de beisebol profissional em Fukushima, mas a cidade conta com o estádio Azuma, com capacidade para 30 mil torcedores. Inaugurado em 1986, o local recebeu partidas esporádicas de equipes da NPB, mas é palco constante de partidas colegiais e de ligas industriais (semi-profissionais).

Estádio Azuma, principal palco de beisebol em Fukushima

Estádio Azuma, principal palco de beisebol em Fukushima