O Ajax tinha um importante duelo contra o Dynamo de Zagreb pela fase de grupos da Champions League 2011/12. Johan Cruyff, em sua coluna no jornal De Telegraaf, foi buscar exemplos para inspirar o clube de Amsterdã. E os encontrou no improvável título mundial de beisebol que a Holanda havia conquistado dias antes ao vencer Cuba por 2 a 1 na final.

A menção pode soar surpreendente para alguns, mas fazia todo sentido. Antes de se tornar um craque do Ajax, um revolucionário da seleção holandesa, o idealizador do que é o Barcelona de hoje e um filósofo do futebol, Cruyff era um garoto que amava beisebol. Amava e jogava. Era catcher nas categorias de base do Ajax, mas – já mostrando a versatilidade que teria com a bola nos pés – também atuava como arremessador.

O honkbal era o esporte de verão do Cruyff. Tinha talento a ponto de ser sondado para defender a seleção holandesa em competições juvenis. No entanto, seus compromissos no futebol – esporte que praticava no inverno – dificultavam a vida em dois esportes simultâneos. Quando subiu do time sub-15, o Ajax pediu para ele escolher uma das modalidades. O futebol dava mais perspectivas profissionais e Cruyff abandonou as luvas e bastões.

O beisebol do Ajax ainda abrigaria outro futuro ídolo do futebol: Johan Neeskens, meia da Holanda na Copa de 1974 e considerado um jogador ainda mais promissor no diamante. Em 1972, o maior clube da Holanda fechou seu departamento de honkbal para reduzir custos. Foi o fim de uma trajetória de 50 anos, iniciada também por uma figura polivalente vinda do futebol.

Cruyff fazendo um arremesso cerimonial antes de uma partida nos EUA

Cruyff fazendo um arremesso cerimonial antes de uma partida nos EUA

O irlandês Jack Kirwan entrou na vida esportiva com o futebol gaélico no final do século 19. Mudou-se para a Inglaterra e se destacou no futebol, defendendo profissionalmente Tottenham, Everton e Chelsea. Na época, muitos clubes do Campeonato Inglês tinham equipes de beisebol para ter receita no verão. Tottenham e West Ham eram dois dos melhores, e Kirwan também atuou no diamante.

Ao encerrar a carreira, o irlandês foi contratado como técnico do Ajax. Os registros não são tão claros de parte desse processo, mas a história mais aceita é que o irlandês sugeriu ao clube seguir os passos dos ingleses e também criar um time de beisebol. A partir das décadas de 1910 e 20, o beisebol cresceu na Holanda, estabelecendo uma liga profissional e dominando o cenário europeu. Durante a Segunda Guerra Mundial, praticar o esporte dos norte-americanos era um gesto silencioso de desafio à ocupação alemã.

Esse legado persiste. Em campo, com os holandeses eliminando Coreia do Sul e Cuba para chegar em quarto lugar no World Baseball Classic. Fora dele, com Cruyff. Mesmo depois de consagrado no futebol, ele sempre mostrou carinho pelo esporte que praticou por muitos anos em suas colunas na imprensa de seu país. Em 2007, o Europeu da modalidade foi disputado em Barcelona, cidade que o craque adotou. Claro, ele foi ao estádio torcer, e depois celebrou o penta continental da Holanda.

Cruyff parabeniza jogadores da Holanda após a conquista do título europeu de beisebol de 2007

Cruyff parabeniza jogadores da Holanda após a conquista do título europeu de beisebol de 2007

Após a partida, voltou a falar de beisebol no De Telegraaf, analisando o momento do beisebol na Holanda:

“Estou mais e mais impressionado pelo desenvolvimento dentro da Federação Holandesa de Beisebol. Uma entidade pequena, que, apesar da recessão e da perda da condição de esporte olímpico, consegue continuar crescendo. Uma federação em que o ex-profissional Robert Eenhoorn está fazendo diferença. Obviamente é alguém que pode visualizar o que está errado e encontrar a solução. Consequentemente, o beisebol holandês tem feito progressos graduais. Primeiro, vencendo o título mundial para amadores e, agora, conseguindo contratar Hensley Meulens, um técnico de ponta que trabalha no San Francisco Giants, para comandar a seleção no World Baseball Classic.

Enquanto isso, o elenco do WBC tem 75% de jogadores profissionais e conseguiram luz verde para construir um novo estádio em Hoofddorp, onde em breve jogos de Major League poderão ser jogadas. Esse é o resultado de um trabalho de um diretor esportivo que sabe pela experiência prática qual decisão é necessária a cada momento. Um ex-jogador que chegou ao topo com ajuda de uma equipe adequada a seu lado.”

Por isso, esta quinta não representa apenas a morte de um revolucionário do futebol, do criador do futebol moderno. É também é perda de um dos maiores embaixadores do beisebol na Europa.